quinta-feira, 27 de maio de 2010

Saída airosa


Um destes dias, se ninguém me impedir. Ainda vou ser convidada a sair de um qualquer local daqueles que me andam a incomodar, "trabalho incluído", vestida com uma destas roupinhas fashion inteiramente grátes. Cortesia do estabelecimento em questão, seja ele qual for.

Estado de espírito


Á beira de um ataque de nervos......

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Vida

O dia de hoje foi...digamos interessante. Interessante ao ponto de reavivar no meu cérebro uma frase já esquecida, mas fantástica, que não me saíu da ideia durante as ultimas doze horas.
"Ninguém morre virgem! A vida F___-nos a todos.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Estado Zen

Estou em estado Zen.
Portanto hoje, podeís vir a mim mal humorados deste mundo, vinde descarregar as vossas fúrias na minha pessoa, que eu estou aqui de coração e sorriso abertos, para vos receber com toda a compreensão e carinho.
E a que se deve esta paz de alma? A algo muito pequeno e ao mesmo tempo tão grande.
O meu piolhito hoje de manhã, quando o sentava na cadeirinha do carro, virou-se de repente para mim com aquela boquinha pequenina a fazer biquinho, e assim do nada, espeta-me um xoxo repenicado na bochecha e diz-me: (Sabes mãe, és muito fofinha). E logo de seguida virou-se para a frente e ficou absorto nos seus pensamentos.
Mas nesse momento, para mim o mundo parou e senti-me invadir por um banho de amor e felicidade, que me refrescou a alma para o resto do dia.
E agora venham lá dizer-me que felicidade é ganhar o euromilhões. O tanas. Podem alcunhar-me de lamechas ou outro epíteto do género, mas para mim não há dinheiro no mundo que pague estes momentos espontâneos, que acontecem simplesmente, porque sim. E nos deixam o resto do dia com um sorriso estupido pregado na cara e um coração leve e transbordante, de uma felicidade que não conseguimos explicar, apenas sentir.
E agora perguntem lá. E se te tivesse saido e euromilhões não estarias também felicíssima?
E eu só posso responder: Estar, estar, até estaria. Mas não era o mesmo tipo de felicidade.

Frases com alma

Uma das razões pelas quais temos tantos problemas nesta vida é porque insistimos em esquecer coisas que deveriamos lembrar e porque deliberadamente, nos lembramos de coisas que deveríamos esquecer.

Arthur Graham

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Vida a dois

Outra das minhas frases favoritas, que a cada dia que passa vai fazendo mais sentido:
"O casamento é um relacionamento a dois, no qual um dos elementos tem sempre razão, e o outro... é o marido."

terça-feira, 11 de maio de 2010

1º Dia de férias

Hoje foi oficialmente o meu primeiro dia de férias (só uma semanita), sim porque para mim fim-de-semana é fim-de-semana, portanto, não conta.
Moro na margem sul do Tejo e trabalho em Lisboa. Qual seria então, o melhor destino para mim neste primeiro dia de suposto lazer?
Lisboa, pois concerteza... Uma gaja, quando tem azar na vida, tem mesmo azar, não há volta a dar. A situação inadiável que tive de resolver hoje,apareceu após marcação de férias e sem forma de alterar. E assim lá fui eu quase á hora costume, como se fosse trabalhar, mas tentando não pensar no assunto. Mas é inevitável, Lisboa é uma cidade linda, mas para mim tem sempre cheiro a trabalho. No entanto, se eu fosse suficientemente agradecida nesta altura de crise, dava quase para escrever uma nova canção popular: Cheira bem, cheira a trabalho... "mas não fica no ouvido, pois não"
Como se não bastasse hoje acordei gorda. Sim, as calças que na sexta-feira pareciam tão bem, hoje teimaram em não fechar enquanto eu não me deitei para puxar o fecho até ao seu destino. Isto é mais uma vez obra daqueles bichinhos microscópicos chamados calorias. Sabem, aqueles que durante a noite, enquanto nós dormimos, entram no nosso roupeiro e encolhem-nos a roupa toda!? Pois é, eles andam aí... Mas embora eu vá repetidamente á drogaria da esquina e tente explicar ao sr. atrás do balcão o que se passa, ele tenta sempre impigir-me anti-traças, não percebo. E por muito que eu diga: OH, Sr. Gaspar, não é anti-traças é anti-calorias. Ele ainda replica com um grande sorriso: Ai, esta menina, sempre na brincadeira. E eu saio dali a pensar: Este homem precisa de se actualizar. E o meu querido Sr. Gaspar por sua vez, ao ver-me afastar deve ficar com pensamentos do género: Esta gaja não bate bem dos cornos.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Clubista instantâneo

Ontem fiz uma descoberta engraçada. Os adeptos dos clubes, podem surgir como a mousse de chocolate "Instantâneos". Senão vejamos:
Cá em casa, ninguém é apreciador de futebol, muito menos adepto de qualquer clube. Aliás, esta sempre foi uma das minhas mais antigas exigências. Qualquer homem que pretendesse fazer parte da minha vida, não poderia ser aficcionado do dito desporto. (Oh! Como nós pagamos pela lingua).
Ontem após o jogo do Benfica (o qual ninguém viu nesta casa), começou a algazarra, dificil de ignorar. O meu piolhito de 4 anos, ficou curioso do porquê das pessoas de repente dasatarem a gritar, a cantar, a buzinar, enfim... a fazerem toda aquela barulheira.
Assim, o pai, para que ele melhor entendesse a situação, colocou a televisão num dos canais que transmitia o após jogo e começou as explicações. E o piolhito ali ficou a olhar fixamente para o ecrã e a ouvir tudo muito atentamente. E no fim, este meu filho que ainda não compreendeu verdadeiramente o conceito de clube, virou-se com o ar mais sério do mundo e diz-nos: Eu sou do Benfica!
Eu e o pai entreolhamo-nos e perguntamos-lhe: E porque é que tu és do Benfica?
E ele responde do cimo de toda a sua sabedoria e lógica, inerentes aos seus longos 4 anos:
Porque eles são vermelhos e têm uma águia.
E agora, que podemos nós argumentar contra tão grande argumento!?

sábado, 8 de maio de 2010

Uivando á lua II

Esta história de uivar á lua, lembra-me sempre o meu ex-marido, com o qual voltei a ter contacto recentemente, após anos de separação. E com ele, regressou á minha memória uma das minhas frases favoritas: "O amor é como a relva. Nós plantamos, ela cresce... até que um dia aparece uma vaca e acaba com tudo..."

Uivando á Lua

Eu sou como aqueles cães que ladram imenso mas não mordem (do género do meu. O qual eu estou convicta que se um dia matar alguém, será por excesso de lambidelas). Passando á frente, tenho um trabalho lixado, onde tenho de engolir repetidamente sapos grandes e gordos, várias vezes ao dia. Portanto, para que a minha sanidade mental não vá desta para melhor, tenho de extrapolar de alguma forma. E a melhor forma que econtrei foi esta, que é um equivalente de uivar á lua, e libertar os pensamentos maus que se vão acumulando dentro de mim. Ou seja, vou continuar a ladrar indefinidamente a toda a gente porque não consigo morder em ninguém.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Opções

Se calhar, devia ter optado pelo tiro nos cornos. De qualquer maneira estou com uma porra duma dor de cabeça, que insiste em não se ir embora. Já para não falar em enjoada, rabujenta e sem a minima paciência para os renhónhónhós fastidiantes, que tenho deglutido durante todo o dia.
Por favor meus queridos, deixem-me hoje em paz e por favor não falem muito alto. Prometo que amanhã serão recebidos com a simpatia e profissionalismo a que estão habituados. Mas hoje. Please,give me a break.
Também prometo não voltar a ingerir uma gota de alcool até ao final da semana. Está prometidinho. (Felizmente amanhã é sexta-feira)

Problema!? Qual problema!?

Eu tinha uma decisão qualquer a tomar, certo!???
Qual era afinal o meu problema??? Esqueci-me...
Mas esta noite aprendi algo cientifico. Beber whisky a seguir a um jantar regado a vinho provoca amnésia. Nunca experimentem isto em casa ou/e principalmente fora dela.
Mas ainda estou a matutar no meu suposto problema. Será que tomei a decisão correcta!? Estou baralhada.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Ele há dias....

Atender público, tem que se lhe diga. Há que ter estômago e dos bons. Senão, num destes dias de, ah e tal porque não sei quê. O estômago fica de tal maneira revoltado, que se não cerrar-mos os dentes, acabamos por vomitar uma verborreia de obscenidades, capaz de nos levar ao Centro de Emprego, mais próximo da área de residência.
Isto a juntar a certas colegas, que são uma verdadeiras cabras com C grande, (não sei se só pelo gosto de serem cabras, se por um qualquer fetiche lésbico recalcado). E temos um final de dia perfeito, daqueles que só apetece chegar a casa e das duas uma: ou damos um tiro nos cornos e nunca mais teremos de pensar no assunto, ou bebemos uns copitos a mais e esquecemos completamente qual era o problema.
Vou decidir o que fazer durante o trajecto.