terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Motard que é motard não bebe leite, come a vaca...

Estive a rever fotos e videos da minha família motard. Concentrações, aniversários, festas, etc. Bateu-me um saudosismo, daqueles bem fortes, com direito a lágrima no olho e tudo. Por vários motivos da minha vida pessoal, tenho andado um pouco afastada da vida social, mas nunca me tinha apercebido que embora sentisse saudades, elas poderiam ser tão grandes. Ouve fotos que me trouxeram recordações únicas e maravilhosas, que me deixaram completamente nostálgica.


Esta nostalgia entretanto, relembrou-me que este grupo, ao qual pertenço com muito orgulho, encaixa também ele no post de dia 07/01, sobre discriminação. Ser motard também significa ser discriminado, ser motard é ser feio, porco e mau (um dia hei-de aparecer numa reunião de pais vestida a rigor, só para apreciar os olhares). Enfim, para uns e outros, ser motard é sinal de persona non grata.

Mas na realidade ser motard, significa ter espírito de liberdade, vibrar com o som de uma moto a chegar ou a partir, sentir os pelos da nuca a arrepiarem-se cada vez que ouvimos um rater ou observamos um burn out. Mas principalmente, ser motard significa, camaradagem, amizade, entreajuda, solidariedade e comunhão. Somos perfeitos? Claro que não. Discutimos? Claro que sim. Mas a roupa suja rapidamente é lavada e a amizade acaba sempre por falar mais alto e prevalecer.

Ganhei bons amigos, que sempre tiveram palavras simpáticas em alturas menos boas e atitudes fora de série nas ocasiões menos esperadas. Por exemplo: Quando tirei a carta de moto, o meu amigo Carlos, motard da velha guarda, com uma Harley Davidson fabulosa, que é a menina dos olhos dele e onde pouca gente senta o traseiro. Fez questão de me passar a moto para as mãos para uma voltinha de maçarica. Por muito que eu ripostasse e argumentasse, cheia de medo (não fosse a porra da mota cair e ficar toda amachucada), ele não descansou enquanto não me viu encima dela. Foi um gesto lindo, uma forma muito generosa de me transmitir confiança e dizer tu és capaz.

Ser motard, é ter outra família fora da família.

E por muito que nos discriminem, temos pena, a malta não está nem aí para bocas alheias, afinal:
Motard que é motard não bebe leite, come a vaca...


;)

17 comentários:

  1. Não gosto de leite...

    De motard...conheço alguns. Não gosto de todos eles. Mas por eles. Não pelas motos.

    ResponderEliminar
  2. É um estilo de vida.

    Mil pétalas...

    ResponderEliminar
  3. Bella
    Não gosto de leite! da vaca só um bifinho do lombo e pouco mais, adoro motos, e Motard que também tenho na familia, fico a roer-me toda de (inveja) por não ser eu a sentar o trazeiro e acelarar naquela brutal máquina,em tempos eu e o meu falecido marido era-mos Hipes não tinhamos motos, mas tinhamos uma 125 e praticavamos motocrosse, eu fiz cinco buracos nas orelhas antes do 25 de Abril nos concertos e muita vez a fugirmos à policia. Hoje vivo numa quinta em Monte Real concelho de Leiria quando há a concentação dos Motard em Faro também há na Vieira de Leiria, um dia um motard nosso amigo levou a concentração lá para a minha quinta, foi comer e beber cantar enfim,um dia inesquecivél tenho bués de fotos. Bella continua a ser o que és antes que a "cortina feche sem aplausos"
    Bijoquinhas.

    ResponderEliminar
  4. Belladona, tenho amigos motards, não o sou, mas na minha juventude optei pelo estilo gótico e convivi e convivo com motards que são extraordinários. Ajudam todos sem se cobrarem de nada. Quanto á discriminação, só tem esse sentimento quem assim se sente. Pois os motards, são pessoas que vivem a vida na boa, não desejam mal a ninguém e estão se a cag.. para quem pensa mal deles. ABENÇOADOS. Adoro esses meus amigos e passei momentos extraordinários com eles.
    Obrigada por me fazeres viver novamente esses momentos. Amiga, motard que é motard não bebe leite, nem come a vaca, come a ordenha das vacas, pois têm um coração do tamanho do mundo.
    Jinhos fofos

    ResponderEliminar
  5. Oi Bella!

    Gosto de leite (s/ lactose), da vaca só como o
    bife, dos motards respeito porque mi marido também
    já foi mas sou franca tenho um bocado de medo dos
    motos e de certos motards...

    Beijinhos da Formiguinha

    ResponderEliminar
  6. descriminados deixa la isso, vivemos numa sociedade que somos discriminado por tudo e por nada, eu nao ligo...
    gostei da expressao que nao conhecia
    bjinho

    ResponderEliminar
  7. É mais do que um estilo de vida, é uma paixão!!

    ResponderEliminar
  8. Bella
    Não podia deixar de vir aqui lixar-te a mona mais uma vez. Dizes que te vais vestir á rigor, fixe faz isso se achas que te vais sentir bem contigo própria? pensa nisso amiga é sempre TU,e só tu, quem gosta de ti aceita-te seja como fôr, eu penso assim, o resto caga nisso. Olha um dos motards amigo nunca o vi beber leite, mas vinho e cerveja é cá dos meus, ele tem uma quinta e vende leite e ogurtes, a alcunha dele é "o manel do leite".
    Beijinho e continua a ser o que ÉS.

    ResponderEliminar
  9. Por acaso até era essa a ideia que eu tinha. Se calhar porque passo as férias a acampar em Olhão, normalmente na altura da concentração em Faro ;) Bjs

    ResponderEliminar
  10. tu e o feio, porco e mau!!! Adoro-te

    ResponderEliminar
  11. isso de motards agrada-me. sempre senti uma certa curiosidade quanto a esse mundo :p e claro que aquele meu post não se refere às pessoas da blogosfera por isso está protegida haha
    Gosto muito do blog!*

    ResponderEliminar
  12. ps: sabe muito bem ver o meu blog na tua lista de blogs! muito obrigada *

    ResponderEliminar
  13. Punheta!! :D ahaha! Que power! :D
    Mas motard à moda tuga!! :D

    ResponderEliminar
  14. Ao ler isto... bateu-me a nostalgia!!! :*

    http://myotherside-sutra.blogspot.com/2010/11/uma-paixao-ou-vida.html

    beijo
    Sutra

    ResponderEliminar
  15. É normal. Tudo o que foge à rotina dos brandos costumes, se não for logo discriminado, entra na roda da maledicência.
    Eu gostava de ter sido um motard a sério, mas nunca tive coragem de dar o passo. Acomodei-me à 50cc e depois à vida estável com a peidola refastelada no sofá e a viajar de carro. Mas ainda não consigo ficar indiferente à passagem de uma máquina mesmo a sério. Daquelas que, ao passarem, fazem estremecer o coração.

    ResponderEliminar
  16. haha :) gostei de ler é assim mesmo, também sofro um bocado com isso quando lá vou eu para os concertos de metal fica tudo a olhar meio de lado mas enfim é andar para a frente :)

    Foi a minha vez de vir cuscar e adorei o blog ^^
    Bjokas

    ResponderEliminar